Meditação

Há esta história zen que recordo muitas vezes:

Nan-in, um mestre japonês da era Meiji (1868 – 1912), recebeu um professor universitário que queria fazer perguntas acerca do Zen. Nan-in serviu chá, enquanto o professor expunha as suas considerações. Encheu a chávena do professor por completo a ponto de começar a verter. O professor observou o chá a entornar-se até que não conseguiu conter-se mais e disse: “Está cheia, não cabe mais nada!” “Tal como esta chávena,” disse Nan-in, “estás cheio das tuas próprias opiniões e especulações. Como posso mostrar-te o Zen sem primeiro esvaziares a tua taça?”

Precisamos de admitir que não sabemos. Que a maior parte das vezes estamos à deriva.

No budismo zen, este “não saber” chama-se “mente de principiante” – a  mente de alguém que não parte de uma opinião preestabelecida sobre as coisas e que a qualquer momento do caminho tem uma atitude de abertura, curiosidade e entusiasmo. Na mente do principiante há todas as possibilidades.

 

Anúncios

One Comment Add yours

  1. Paula Cleto diz:

    Está mesmo muito bom! Para mim foi muito esclarecedor, acrescentou muito mais à perspetiva que tenho desenvolvido acerca do desapego. Abriu-me horizontes e levou-me a pensar e a sentir que ainda estou muito “verde”…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s