o copo já está partido

O mestre de meditação tailandês Ajahn Chah, apontou uma vez para um copo de vidro ao seu lado. “Vêm este copo?” perguntou. “Adoro este copo. Contém a água de uma forma admirável. Quando o sol brilha nele, a luz refletida é linda. Quando toco nele, tem um som encantador. Contudo, para mim, este copo já…

Não precisas de viajar

No início da minha prática tinha esta ideia de que os bons meditantes eram banhados continuamente por uma luz branca. Nunca ninguém me tinha dito que deveria sentir esta luz branca; eu é que achava que era o sinal de uma boa prática. E suspeitava que mal tivesse a experiência dessa luz branca, os meus…

o que é o verdadeiro eu?

o que é o verdadeiro eu? é brilhantemente transparente como o profundo céu azul e não é separado de todos os seres Kodo Sawaki Roshi What is the true self? It’s brilliantly transparent like the deep blue sky, and there’s no gap between it and all living beings. (de The Zen Teachings of Homeless Kodo)

o eu não é o problema

Uma das formas mais bonitas e simples de falar do eu…. Pergunta: Como é que eu me posso distanciar mais do eu, quando me identifico fortemente com este eu no dia-a-dia? No “meu” caso, uso-o para confortar pessoas …”Sei o que estás a sentir, também já passei por isso, etc.” … Como aprofundar a prática…

a mente original

Sobre esta mente… na realidade não é nada. É simplesmente um fenómeno. Em si já é calma. Que hoje em dia a mente seja agitada, é porque segue os humores, os estados de espírito. Surgem impressões dos sentidos que a iludem com felicidade, sofrimento, alegria, preocupação, mas a verdadeira natureza da mente não é nada…

tudo passa

Qual o propósito de reagir a alguma coisa quando está a mudar tão rapidamente? Qual o propósito de reagir com apego ou avidez? Tudo passa. Ou com ódio: tudo passa. What is the purpose of reacting to something when it is changing so quickly? What is the purpose of reacting with craving or clinging? It…

perder

Muitas pessoas pensam que a meditação requer imenso esforço e é algo que temos de adquirir. Temos esta ideia de que exige esforço, temos de nos forçar a fazer, e no final, podemos ter sucesso ou falhar. E acho que é muito importante perceber que não é nada disso. Isto é apenas o ego a…

não julgar

Mindfulness é uma consciência do presente sem julgamentos – e é essa componente de não julgar que traz uma imensa clareza em relação a nós e às nossas tendências. Ao praticar regularmente, criamos quietude, espaço, abertura. Quando nos concentramos na respiração, não alimentamos os nossos padrões mentais, emocionais e físicos. Não fugimos de nenhuma experiência…

o caminho do despertar

Temos de deixar de perseguir estados emocionais positivos através da prática espiritual. O caminho de despertar não tem a ver com emoções positivas. Pelo contrário, despertar pode não ser fácil ou positivo. Não é fácil ver as nossas ilusões esmagadas. Não é fácil deixar ir as nossas percepções de sempre. Podemos mesmo experienciar uma grande…

três aspetos da impermanência

Além de observar a natureza momentânea da mudança, reflexões cuidadosas nos três aspetos óbvios e universais da impermanência podem igualmente sacudir-nos da complacência dos nossos hábitos e padrões profundamente enraizados. Um primeiro aspeto a considerar é que o fim do nascimento é a morte. Com o passar do tempo, as nossas vidas ficam cada vez…

o mestre ideal

Normalmente, encaramos o desconforto de qualquer ordem como negativo. No entanto, para os praticantes, os que têm uma certa fome de saber o que é a verdade, as experiências de sentimentos como o ciúme ou o medo, em vez de serrem nefastas, são de facto momentos de grande clareza que nos ensinam onde estamos a…

estar à vontade em qualquer lugar

Quando achamos que a nossa prática de meditação está desinteressante, ou inadequada, ou que as condições não são favoráveis, e se achamos que somente numa caverna dos Himalaias, ou num mosteiro asiático, ou numa praia nos trópicos, ou num retiro em algum lugar da natureza as coisas poderiam melhorar, e a meditação seria mais forte,…

não dá para fugir

Já observou que não há como fugir de nada? Que, mais cedo ou mais tarde, as coisas com as quais não queremos lidar e das quais tentamos fugir, ou tentamos ignorar e fingir que elas não existem, nos alcançam – principalmente se têm a ver com velhos padrões e medos? A noção romântica é de…

mindfulness e impermanência

Na próxima vez que derem um passeio, prestem atenção ao movimento do vosso corpo e às coisas que pensam, vêm e sentem. Reparem no que acontece a todas estas experiências enquanto continuam o vosso caminho. O que acontece com elas? Onde estão? Quando olhamos, vemos tudo continuamente a desaparecer e novas coisas a surgir –…

mindfulness e impermanência 2

O meu primeiro professor do Dharma, Anagarika Munindra, costumava perguntar-nos: “Onde está o fim de ver, o fim de provar, o fim de sentir?” Claro que não há nada de errado com essas experiências – simplesmente não conseguem satisfazer a nossa ânsia profunda de felicidade. O maravilhoso paradoxo do caminho espiritual é que todos estes…

relaxar na impermanência

Todos sabemos que as coisas mudam, mas quantos de nós vivem e agem a partir desse plano de compreensão? Quando verdadeira e profundamente se vê a verdade da impermanência, os nossos corações e mentes relaxam. Menos facilmente nos agarramos tão desesperadamente às coisas, ou até aos nossos próprios desejos. Enquanto soltamos as amarras a tudo…

O que devo fazer?

Os meus alunos perguntam-me, ‘O que devo fazer? O que devo fazer hoje?’ Para mim, tudo se resume à prática: clarificar a mente, abrir o coração – para seja o que for que surja, instante a instante, possas lidar com isso o melhor que puderes. (Jan Chozen Bays)

em retiro

Na madrugada do despertar do Buda, diz-se que ele compreendeu que tudo está completamente interrelacionado e é interdependente. Por isso é impossível retirarmo-nos do mundo. E todos sabemos que quando estamos em retiro, em termos da nossa experiência, o mundo todo está lá, mesmo no quarto mais minúsculo. E o propósito do retiro é precisamente…

o monge interior

Os textos religiosos fazem com que a vida monástica pareça muito profunda e constante, uma vida que permanece a mesma durante milhares de anos, intemporal. Pode haver alguma verdade nesta ideia, porque para além de tudo o que nós somos há esta pessoa, o monge, que vive uma vida perfeita e autêntica. Todos temos este…

a generosidade de receber

Receber é uma prática poderosa — e íntima. Pois estamos a convidar outra pessoa para dentro de nós.  Em vez de focar na nossa prática e na nossa virtude, podemos focar-nos em dar a outros a oportunidade de cultivar a generosidade. . .  Esse momento, em si, é muito puro.  Por isso se diz que…