Treinar a atenção

Quando dirigimos a nossa energia para estarmos presentes apenas numa expiração, e mais outra, lentamente o poder da nossa concentração aumenta. Depois de sentar algum tempo, começam a surgir diferentes sensações, tal como dor, tensão, formigueiros, calor, pressão, desconforto. Noutras alturas, surgem outras sensações, mais neutras ou mesmo agradáveis. Vibrações, suavidade, tranquilidade, luminosidade. Quando uma sensação se torna mais predominante do que a respiração, deixa que a sensação se torne o objecto da meditação, fazendo uma leve anotação mental para conservar a mente receptiva. Vê se podes relaxar ao experienciar essa sensação, deixando-a simplesmente estar no espaço aberto da consciência, da mesma forma que par aos sons. Ao tornares-te mais atento a esta sensação física, repara no que acontece no processo da observação. Torna-se mais forte ou mais fraca? Muda de posição ou desaparece? Quando a sensação já não for predominante, volta a atenção para a respiração.

Pensamentos, imagens e emoções também aparecem durante a prática da meditação. Quando ouves sons ou segues a respiração, a mente vagueia, perde-se em pensamentos e fantasias. Logo que te dás conta da dispersão da mente, faz uma anotação, “dispersão”, “vaguear”, ou “pensar”. Qual é a diferença entre estar perdido em pensamentos e notar que estás a pensar? O momento de sair da distração não deve ser desprezado. Se alguns padrões de pensamento se tornam repetitivos, faz uma anotação específica para esse tipo de pensamentos: “julgar”, “planear”, “recordar”. Ou se alguns temas ocorrem frequentemente, podes fazer a anotação “cassete família”, “cassete trabalho”, “cassete férias”, etc. Estas anotações ajudam-nos a desligar-nos dos pensamentos, de forma a poder vê-los como eles são – fenómenos vazios de passagem.

O processo do pensamento é espantoso. O mesmo fenómeno que domina as nossas vidas quando estamos distraídos, torna-se vazio e transparente quando estamos atentos. Dilgo Khyentse Rinpoche escreveu: “Uma vez que reconheçamos que os pensamentos são vazios, a mente deixará de ter o poder de nos iludir. Mas enquanto tomamos os nossos pensamentos ilusórios como reais, eles continuarão a atormentar-nos sem parar, tal como o têm feito através de vidas sem fim.”

Muitas pessoas na prática de meditação vêm imagens muito vivas. Podem ser lembranças, formas geométricas, ou fantasias imaginadas. Nesta prática particular de atenção plena, simplesmente fazemos a anotação “ver” e depois vemos o que acontece à imagem quando a observamos. Permanece, esbate-se ou desaparece? O conteúdo da imagem, embora possa ser fascinante, não é importante. Quando o pensamento ou a imagem desaparece, voltamos à atenção ao corpo, aos sons ou à respiração.

Estados mentais e emoções diversas também podem constituir uma parte importante de nossa prática e da nossa vida. É possível senti-las na claridade aberta da nossa consciência em vez de afogadas num oceano de apego a elas. Uma grande variedade de emoções surge quando nos sentamos: aborrecimento, inquietação, agitação, calma, paz, interesse, excitação, raiva, irritação, amor, compaixão, desejo, inveja, ciúme, depressão, bondade, equanimidade, felicidade. A lista continua. Todos estes estados mentais fazem cortejo na nossa mente tal como crianças pequenas no Carnaval, com diferentes disfarces. Vamos seguir o pirata, o fantasma ou a fada? Ou vamos olhar através do traje para a criança que está por baixo?

A nossa prática é abrir para o grande leque de diferentes disposições e estados mentais, sentir a energia particular de cada um, estar atento à experiência tanto no corpo como na mente, e deixá-los passar como nuvens que surgem e se desvanecem no céu. Quando a raiva surge, ou o amor, ou a alegria, é só a raiva a enraivecer-se, o amor a amar e a alegria a alegrar-se. Diferentes sentimentos surgem e passam, e cada um apenas expressa a sua própria natureza. Habitualmente, contudo, somos apanhados no mundo da emoção, identificando-nos com esses sentimentos, pensamentos e sensações. Quando isto ocorre, transformamos a corrente fluida da impermanência num sentido rígido de um eu separado.

Enquanto experiência de atenção, da próxima vez que te sentires identificado com uma emoção forte ou uma reação ou julgamento, deixa a história e segue a sensação física até à contração energética, muitas vezes sentida no centro do coração. Pode ser uma sensação de aperto ou pressão no centro do peito. Então respira e relaxa o coração, simplesmente permitindo que os sentimentos e sensações estejam presentes.

Vê se é possível estar com as emoções da mesma forma tranquila que com os sons. Podes fazer uma anotação muito leve do que a emoção é “raiva”, “calma”, “interesse”, “aborrecimento”, etc., e repara no tom da anotação. O tom em si é neutro ou reage, aceita ou rejeita? Quando praticamos a atenção plena destes diferentes sentimentos, dois níveis de compreensão emergem. Primeiro, podemos cultivar mais facilmente os estados positivos e deixar que os negativos se vão embora. E segundo, começamos a ver mais claramente a natureza não substancial e vazia de todos deles.

Outro fator poderoso a observar é a intenção. A intenção, ou volição, dá energia à mente para concretizar uma ação e possui o poder de trazer de volta resultados kármicos, tal como uma semente tem o potencial para germinar e crescer. Por vezes desprezamos o poder de uma semente, que parece tão pequena. Mas quando as condições estão presentes, uma pequena baga torna-se um grande sobreiro. As motivações associadas a cada intenção condicionam os resultados da ação. Quando a bondade, a generosidade, o amor e a sabedoria motivam as nossas intenções, o resultado é a felicidade. Quando a cobiça, o ódio ou a ignorância motivam as nossas intenções, o resultado é sofrimento…

Como a intenção representa um papel tão crítico nas nossas vidas, prestar atenção é de um interesse vital. Começamos esta prática notando as intenções óbvias que precedem os movimentos do corpo. Antes de mudares de posição, podes reparar na intenção da mente para mudar? Podes viver isto como um pensamento particular, como um impulso, ou simplesmente sabendo que vais mudar. Chamo à intenção o “estar prestes a”. Sabemos que estamos prestes a fazer alguma coisa antes de a fazer. Se nos mexermos mais devagar e deliberadamente, a consciência da intenção torna-se clara. Quando praticamos mais esta observação, as intenções que estão por detrás de outro tipo de actos também se tornam mais aparentes.

Quando estamos distraídos, simplesmente seguimos os muitos hábitos do nosso condicionamento. Quando estamos atentos, podem surgir os mesmos impulsos habituais, mas temos a escolha de agir ou não.

excerto de One Dharma, de Joseph Goldstein (tradução de Margarida Cardoso)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s